sábado, 19 de março de 2011

O poder da Oração



"Invoca-me, e te responderei; anunciar-te-ei cousas grandes e ocultas que não sabes" (Jer.33:3).
Quão grande e encoberto segredo é o poder ilimitado da oração: temo falar disto, pois me considero incapaz de descrever, em palavras humanas, a inefável onipotência de Deus que Ele revela ao homem que ora. Queremos tentar aproximar-nos, mediante uma simples pergunta, no centro deste segredo divino.

1. Por que orar?
1.1 Porque Deus, o Pai, nos chama à oração:
"Invoca-me no dia da angústia: eu te livrarei, e tu me glorificarás (Sl. 50:15). Além do fato que o Senhor atende também o nosso clamor causado por necessidades exteriores, todo aquele que começar a ler Sua palavra com o coração aberto, inevitavelmente entrará em necessidade interior. E nisto vem o convite do Pai: "Invoca-me no dia da angústia."

Porque Deus, o Filho, nos urge à oração:
"Disse-lhes Jesus uma parábolo, sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer" (Lc. 18:1). "Pedi, e dar-se-vos-á, buscai, e achareis; batei. e abrir-se-vos-á" (Mt. 7:7). Ele, o Filho de Deus, portanto, nos urge a intensificar a nossa oração. Pois "pedir" é um perguntar passivo, "buscar" já é uma perseverança decidida, porém "bater" significa penetrar até à presença de Deus, continuar até que a porta do Santíssimo se abre.

Porque Deus, o Espírito Santo, quer orar por meio de nós:

"Também o Espírito semelhante-mente, nos assiste em nossa fraqueza; porque não sabemos orar como convém, mas o mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira com gemidos inexprimíveis", (Romanos 8:26). O chamado do Deus triuno à oração consequentemente abrange também a Sua promessa de produzir em nós esta oração. O mesmo Espírito intercede por nós sobremaneira com gemidos inexprimíveis. Como podes defender ainda a tua inteligência e preguiça na oração quando o Deus triuno te urge tanto a orar, e mais ainda, quando Ele até te promete, fazê-lo em e através de ti! "Fiel é o que vos chama, o qual também o fará". Se, pois, o Deus triuno nos chama à oração, três coisas são necessárias: primeiro: oração, segundo: oração e terceiro: ainda oração. 

Publicado em: setembro 112007 

Uma pequena historia com um grande significado. 

Uma a pobre senhora, com visível ar de derrota estampado no rosto, entrou num armazém, se aproximou do proprietário conhecido pelo seu jeito grosseiro, e lhe pediu fiado alguns mantimentos.

Ela explicou que o seu marido estava muito doente e não podia trabalhar e que tinha sete filhos para alimentar.
O dono do armazém zombou dela e pediu que se retirasse do seu estabelecimento.
Pensando na necessidade da sua família ela implorou:
"Por favor senhor, eu lhe darei o dinheiro assim que eu tiver..." ao que ele respondeu que ela não tinha crédito e nem conta na sua loja..
Em pé no balcão ao lado, um freguês que assistia a conversa entre os dois, se aproximou do dono do armazém e lhe disse que ele deveria dar o que aquela mulher necessitava para a sua família por sua conta.
Então o comerciante falou meio relutante para a pobre mulher: "Você tem uma lista de mantimentos?"
"Sim", respondeu ela . "Muito bem, coloque a sua lista na balança e o quanto ela pesar, eu lhe darei em mantimentos".
A pobre mulher hesitou por uns instantes e com a cabeça curvada, retirou da bolsa um pedaço de papel, escreveu alguma coisa e o depositou suavemente na balança.
Os três ficaram admirados quando o prato da balança com o papel desceu e permaneceu em baixo.
Completamente pasmado com o marcador da balança, o comerciante virou-se lentamente para o seu freguês e comentou contrariado:
"Eu não posso acreditar!"
O freguês sorriu e o homem começou a colocar os mantimentos no outro prato da balança.
Como a escala da balança não equilibrava, ele continuou colocando mais e mais mantimentos até não caber mais nada. O comerciante ficou parado ali por uns instantes olhando para a balança, tentando entender o que havia acontecido...
Finalmente, ele pegou o pedaço de papel da balança e ficou espantado pois não era uma lista de compras e sim uma oração que dizia:
"Meu Senhor, o senhor conhece as minhas necessidades e eu estou deixando isto em suas mãos..."
O homem deu as mercadorias para a pobre mulher no mais completo silencio, que agradeceu e deixou o armazém. O freguês pagou a conta e disse:
"Valeu cada centavo..."
....Só mais tarde o comerciante pode reparar que a balança havia quebrado, entretanto só Deus sabe o quanto pesa uma prece...

QUE DEUS SEMPRE ESTEJA AO SEU ALADO EM TODOS OS MOMENTOS DE SUA VIDA !

Ariel R. do Vale   19/03/2011

Nenhum comentário:

FUTEBOL RESULTADOS

Terra - RSS - Terra Brasil ultimas noticias

O GLOBO - Ultimas noticias